Poliomielite: vacinação prossegue até dia 8 de julho


30 de junho de 2011 Facebook Twitter LinkedIn Google+ Saúde



As doses de vacina estão disponíveis em todas as unidades de saúde. (Foto: José Aparecido dos Santos)

A Secretaria Municipal de Saúde vacinou, até o dia 29 de junho, 21.702 crianças contra a poliomielite (paralisia infantil). O número corresponde a 92,4% de cobertura e o prazo para garantir a imunização, que terminaria nesta sexta-feira, dia 1º, foi prorrogado até o dia 8 de julho. As doses estão disponíveis em todas as Unidades Básicas de Saúde e unidades do Programa Saúde da Família, totalizando 36 pontos de atendimento. O atendimento é das 8 às 17 horas.

Além da vacina contra poliomielite, recomendada para crianças menores de cinco anos de idade, está disponível também a vacina contra o sarampo para crianças de 1 a 6 anos. Contra o sarampo, a Secretaria registrou 22.886 doses de vacina, o equivalente a 83,6%. De acordo com a enfermeira da Vigilância Epidemiológica, Maria do Carmo Possidente, com a nova prorrogação espera-se atingir a meta de 95% de imunização recomendada pelo Ministério da Saúde.

“Na próxima semana várias escolas estarão em período de férias, sendo assim os pais devem aproveitar para vacinar seus filhos”, disse Maria do Carmo, lembrando que o vírus das duas doenças estão circulando e a vacinação é a forma mais eficaz de prevenção. Em 2010 foram notificados 1.291 casos de poliomielite no mundo e no primeiro trimestre de 2011 já ocorreram 102 casos. O Brasil não registra casos da doença desde 1989, mas isso não significa que está foram de risco. “Por não haver a doença, os pais acabam relaxando, mas o que mantém a doença longe do país é a vacinação”, enfatizou.

Quanto ao sarampo, o Brasil ficou quatro anos sem registro de casos da doença. Em 2010 ocorreram surtos em três estados. Em 2011 foram notificados nove casos, sendo um em Campinas (SP), um no Mato Grosso do Sul, dois no Rio Grande do Sul, quatro no Rio de Janeiro e um no Distrito Federal.

Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Jundiaí.

Comentários