Atendimento odontológico: prevenção e orientação começam na infância


22 de junho de 2011 Facebook Twitter LinkedIn Google+ Saúde



Crianças aprendem desde cedo a importância da escovação. (Foto: Murilo Borçal)

A escovação dos dentes faz parte da rotina diária de Clara, Helena e João Víctor, que garantem fazer a higienização, pelo menos, três vezes ao dia. Assim como eles, todas as crianças da rede municipal de ensino são orientadas a adotar medidas de higiene que vão garantir uma boca saudável. As informações passadas por dentistas da rede pública de saúde para as crianças integram o Programa de Saúde Bucal, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Saúde.

O programa conta com ações coletivas de caráter preventivo e atendimento individual curativo básico e com especialistas. De acordo com a coordenadora de Saúde Bucal do Município, Jane Rodrigues de Campos Tonetti, o público alvo são crianças e adolescentes de 0 a 14 anos, gestantes e diabéticos, que são atendidos em Unidades Básicas de Saúde (UBS), unidades do Programa Saúde da Família ou no Centro de Especialidades Odontológicas, além das escolas, cuja ação conta com cerca de 45 mil alunos inscritos.

Segundo ela, a cidade conta hoje com atendimento odontológico em 19 Unidades Básicas de Saúde (UBS) e em cinco unidades do Programa Saúde da Família. “No primeiro semestre de 2011registramos cerca de 30 mil procedimentos odontológicos; foram 8.820 tratamentos finalizados”, disse Jane, lembrando que o Programa de Saúde Bucal é composto de cirurgiões dentistas, auxiliares de consultório dentário e técnicos em higiene dental.

O atendimento inicial para as crianças ocorre, na maioria das vezes, na própria unidade de ensino, onde elas passam por avaliação, recebem aplicação de flúor e, quando necessário, são encaminhadas para tratamento. Em regiões que contam com Unidades Básicas de Saúde com consultório odontológico, o atendimento na escola é feito por equipe da própria unidade. Uma equipe móvel foi montada para percorrer as regiões que ainda não possuem o setor de odontologia.

A coordenadora da equipe móvel, Célia Pereira Ferragut, explicou que o índice de cárie registrado em crianças em Jundiaí é satisfatório, mas pode ser melhorado. “Cerca de 25% das crianças examinadas apresentam algum problema. É preciso que haja um retorno por parte dos pais, que devem incentivar a escovação também em casa”, disse a dentista.

Célia ressaltou que durante a escovação na unidade de ensino as crianças ganham escovas novas a cada visita e contam com creme dental com corante que evidencia a placa bacteriana. “Este produto, utilizado em crianças a partir dos seis anos, mostra o dente que precisa de mais higienização”, disse ela, acrescentando que bebês que frequentam as creches municipais também são avaliados e os pais orientados a prevenir a cárie de mamadeira e outros problemas na cavidade bucal decorrentes do uso da mamadeira, da chupeta e do hábito de chupar o dedo.

Atendimento especializado

A Secretaria Municipal de Saúde mantém também o Centro de Especialidades Odontológicas, responsável por atender a demanda de unidades de saúde que não contam com consultórios de odontologia e, ainda, oferecer aos usuários atendimento nas especialidades de semiologia (diagnóstico bual), periodontia (tratamento de gengiva), endodontia (tratamento de canal) e atendimento a pacientes com deficiência.

De acordo com a gerente do local, Camila de Arruda Barbirato, o encaminhamento para especialistas é feito via unidade de saúde. “Não atendemos livre demanda, ou seja, não adianta procurar o Centro de Especialidades sem o encaminhamento que não será atendido”, ressaltou.

O Centro de Especialidades conta com cerca de 7 mil prontuários e atende cerca de 100 pacientes por dia. Segundo Camila, é necessário conscientizar a população quanto a importância da prevenção, estimulando o início dos cuidados ainda nos primeiros anos de vida. “Quando se consegue evitar a cárie até os quatro anos de idade, verifica-se uma redução de cáries para o resto da vida”, disse a dentista, acrescentando que há crianças de sete, oito anos que chegam ao Centro de Especialidades sem nunca ter ido ao dentista.

Para assegurar a qualidade e agilidade no atendimento, a Secretaria Municipal de Saúde contratou novos profissionais e a intenção é de dotar todas as novas Unidades Básicas de Saúde de consultórios odontológicos. “Só nesta gestão foram contratados mais de 20 profissionais”, disse Camila, acrescentando que as unidades inauguradas recentemente já contam com espaço para este atendimento.

Economia e qualidade

A dona de casa Sílvia Muniz levou o filho Gustavo, de 9 anos, ao Centro de Especialidades para tratamento de canal. Satisfeita, ela ressaltou que se não fosse o atendimento na rede pública, seu filho corria o risco de perder o dente, pois não teria condições financeiras de pagar o tratamento. “Não tenho orçamento para levar meu filho a um dentista particular. Fiquei muito satisfeita com a qualidade do atendimento”, disse ela. O atendimento para tratamento de canal da rede particular custa cerca de R$ 400,00.

A faxineira Edna Ribeiro também levou os filhos Larissa e Víctor Gabriel, de 6 e 3 anos, para atendimento no Centro de Especialidades. Segundo ela, o que ganha fazendo faxina não permite levar os filhos a um dentista particular. “Esta foi uma ótima oportunidade. O tratamento é muito caro e eu não conseguiria bancar. Aqui, além da economia encontrei bons profissionais”, assegurou.


Clique para ampliar.

Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Jundiaí.

Comentários